A chuva

A chuva que cai lá fora

companheira da noite serena.

A gota que toca minha alma,

um suspiro preso no peito,

a libertação da dor.

Um êxtase de contemplação

do olhar que toca a imensidão.

O abraço úmido e gelado da chuva.

Um coração vazio a vagar

procurando pelos sentidos perdidos

ou escondidos por um tempo

que demora a passar.

E eu a caminhar pela chuva

que teima em me tocar

que não cansa de me consolar.

Como se quisesse me mostrar

a beleza entre todas as tristezas

Quero olhar.

Mas como enxergar

quando a cegueira da solidão está aqui,

dentro de mim, a me atormentar?

Oh chuva, alivia meus anseios,

acalma esse nada que há.

Acolha-me no seu bem querer,

não me deixes mais sofrer.

Por Júlia Miguel

Escrito em algum momento, muitos anos atrás. Acho que mais de 12 anos…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s